Morre colega humboldiano e virologista da Fiocruz Hermann Gonçalves Schatzmayr no dia 21 de junho.

 


Morre colega humboldiano e virologista da Fiocruz


Hermann Gonçalves Schatzmayr


no dia 21 de junho.


O virologista Hermann Gonçalves Schatzmayr, considerado um expoente da ciência nacional, morreu nesta segunda-feira, por falência múltipla dos órgãos, aos 74 anos, no Rio de Janeiro. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), onde o pesquisador trabalhou por quase 50 anos, declarou luto.


Morre Hermann Schatzmayr, virologista que combateu pólio e dengue no Brasil


Em 21 de junho de 2010 Fundação Oswaldo Cruz comunicou e o Jornal “O Estado de São Paulo” divulgou, no Caderno Cidades / Metrópole – pagina C4 - Seção de Falecimentos:


Schatzmayr trabalhou na erradicação da varíola e presidiu a Fundação Oswaldo Cruz na década de 90


A Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) informa que morreu o virologista Hermann Gonçalves Schatzmayr, aos 75 anos. Hermann estudou a pandemia de gripe de 1957-1958 no Rio de Janeiro e participou dos esforços de erradicação da varíola e de combate à poliomielite no País. Também foi o responsável pelo isolamento dos vírus do dengue 1, 2 e 3 no Brasil. Hermann morreu por falência múltipla dos órgãos, no Rio de Janeiro.


Pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz por quase meio século, Hermann ingressou na Fiocruz em 1961, onde atuou desde então, afastando-se apenas durante períodos no exterior para estudos. Por 30 anos esteve à frente do Departamento de Virologia no Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que deu origem a diversos centros de referência nacionais e internacionais.


 


Hermann Gonçalves Schatzmayr (1936-2010) ocupou o cargo de presidente da instituição entre 1990 e 1992, sendo Membro da Academia Brasileira de Medicina Veterinária (Cadeira nº 30 / Patrono - Manuel Cavalcanti Proença), Membro do Clube Humboldt do Brasil – como ex-bolsista da Fundação Alexander von Humboldt da Rrepública Federal da Alemanha, Membro da Academia Brasileira de Ciências e integrante de vários comitês internacionais da Organização Mundial da Saúde (OMS).


Após sua formatura – 1957 na Faculdade de Medicina Veterinária da UFRRJ, já em 1961, passou a integrar a equipe do recém-montado Laboratório de Poliomielite do Instituto Oswaldo Cruz, em Manguinhos, sendo na época o único pesquisador da área de virologia na Instituição que desenvolvia pesquisas que incluíam o isolamento e identificação do vírus da pólio e o estudo de surtos que ocorriam em nosso País.


Pouco depois, liderou a equipe responsável pela diluição e distribuição da vacina Sabin - que acabara de ser adotada pelo Brasil e era importada na forma concentrada.


Durante três décadas, atuou como coordenador da área de Virologia do Instituto Oswaldo Cruz e esteve à frente de projetos de pesquisas, que incluíam, além de poliomielite, outros vírus, como o da varíola e rubéola.


Na década de 80, quando a epidemia de dengue já preocupava em alguns países da América Latina, dedicou-se ao estudo do vírus, isolando pela primeira vez os tipos 1, 2 e 3. Nesta época já contava com o companheirismo, também no laboratório, da esposa Ortrud Monika Barth, pesquisadora da FIOCRUZ, com quem foi casado durante 49 anos.


Hermann Schatzmayr deixa esposa, um casal de filhos - um engenheiro residente na Alemanha, uma bióloga e cinco netos.


 


Hermann Gonçalves Schatzmayr


Pesquisador responsável pelo isolamento do vírus da dengue no Brasil


 


Hermann Gonçalves Schatzmayr – Memórias


Fonte -Wikipédia.


Hermann Gonçalves Schatzmayr, nascido em 1936 na cidade do Rio de Janeiro, onde faleceu em 21 de junho de 2010 foi um expoente da ciência brasileira e acompanhou a própria história da implantação e desenvolvimentoda virologia no País.


A vida e formação


Graduou-se em medicina veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, onde foi monitor de microbiologia, recebendo em sua formatura o Prêmio Ildefonso Simões Lopes, classificado como o melhor graduando.


Em 1958, o pesquisador da Fiocruz Fernando Ubatuba recomendou que Hermann Schatzmayr se matriculasse no curso de especialização em microbiologia da atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, sendo bolsista de virologia num laboratório da mencionada Universidade, acom´panhado os trabalhos do pesquisador em projeto sobre o surto de influenza que ocorria na cidade do Rio de Janeiro em 1957 e 1958 ou no projeto da febre amarela.


Em 1960, por intermédio dos professores do curso de microbiologia, obteve uma bolsa no Instituto de Higiene da Universidade de Viena, onde permaneceu na casa de uma avó que morava próxima da universidade e estudou o vírus de encefalite do carrapato.Ai, publicando seus primeiros trabalhos científicos.


A partir de 1961, passou a trabalhar na Fundação Oswaldo Cruz, quando conheceu a pesquisadora Ortrud Monika Barth, nascida na Alemanha com que casou e viveu durante 49 anos. No final da década de 60 do século passado, na Universidades de Giessen e Freiburg concluiu o doutorado, apresentando tese sobre o vírus da poliomielite. Ao retornar ao Brasil em 1967, passou a ser o responsável pela produção de vacina anti-variólica, em ovos embrionados.


Por mais de 30 anos comandou o Departamento de Virologia no Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que deu origem a outros centros de referência nacionais e internacionais.


Em agosto de 1984, recebeu o Prêmio da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica.


Ocupou o cargo de presidente da Fiocruz de 1990 a 1992


Como professor, trabalhou de 1967 a 1977 no Departamento de Ciências Biológicas da Fiocruz em linhas de pesquisa relacionadas ao enterovirus e hepatite B; e como livre-docente em virologia na Universidade Federal Fluminense.



Hermann Gonçalves Schatzmayr


Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1A


 


 Curriculum vitae: o Acadêmico Hermann G. Schatzmayr graduou-se em Veterinaria pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1957), possuindo Doutorado pelas Universidades de Giessen e Freiburg/Alemanha (1961) e Livre Docência em Virologia pela Universidade Federal Fluminense (1975).


Pós-Doutorado na Alemanha como Bolsista da Fundação Alexander Von Humboldt, habilitando-se com Professor Livre Docente.


Pesquisador Titular da Fundação Oswaldo Cruz (1962 à atualidade), sendo Pesquisador 1-A do CNPq.


Assessorias: Assessor da Organização Mundial da Saúde/ Genebra desde 1982. Membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia Brasileira de Medicina Veterinária.


Persistente e profícua atividade editorial e associativa:


ØEditor do periódico Virus Reviews & Research da Sociedade Brasileira de Virologia;


ØMembro do Corpo Editorial dos periódicos Vaccine/Londres;


ØMemórias do Instituto Oswaldo Cruz;


ØSócio-Fundador e primeiro Presidente da Sociedade Brasileira de Virologia;


ØLíder do Grupo de Pesquisa em Dengue do CNPq;


 Membro do Grupo de Pesquisa em Ultra-estrutura do CNPq;


Áreas de Atuação:


Atuou na área de Microbiologia, com ênfase em Virologia, principalmente nos seguintes temas: flavivirus em especial dengue e febre amarela, biossegurança e poxvirus (Texto original informado pelo autor)


Formação acadêmica/Titulação


Última atualização do currículo em 10/05/2010




1975


Livre-docência. Titulo obtido na Universidade Federal Fluminense - UFF, Brasil, com apresentação da Tese –Sobre um método de concentração da água do mar para pesquisa de vírus”.


1966


Livre-docência - Habilitation na Universidade de Giessen. – Alemanha, com a apresentação da Tese (Habilitation Schrifft) “Inibidores para o vírus da poliomielite em soros de bovinos”.


Prêmios e títulos







2008


Honra ao Mérito Nacional de Saúde Pública, Sociedade Brasileira de Higiene.


2006


Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências, Academia Brasileira de Ciências.


2001


Médico Veterinário do Ano Área de Saúde Pública, Conselho Regional de Medicina Veterinária.


1999


Membro da Academia Brasileira de Medicina Veterinária Cadeira nº. 30 da Academia Brasileira de Medicina Veterinária.


1957


Premio Ildefonso Simões Lopes (no momento da Graduação), UFRRJ.


 


Outras informações relevantes


No desenvolvimento de sua carreira de pesquisador e atividades docentes foi orientador de 31 estudantes de pós-graduação, sendo 19 dissertações de Mestrado e 12 teses de Doutoramento e sua produção cientifica pode ser, assim resumida:


ØParticipação ativa em eventos científicos                               80


ØResumos de pesquisas apresentadas                                    114


ØLivros editados                                                                              2


ØAutoria de capítulos de livros                                                 14


ØArtigos completos publicado em Anais de Congressos             33


ØPublicações de artigos em revistas cientificas                            204

Português, Brasil